quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Lições de uma Contadora de Histórias - 2º Parte

Avaliação: 
Continuando...
-----------

A preparação do conto.

Para preparar um conto vários recursos podem ser utilizados:


A análise
Pode ser um recurso valioso no início do preparo e diz respeito à identificação da partes da estrutura do conto. Aqueles que são estruturados linearmente com introdução, desenvolvimento ou enredo, clímax e desenlace, são mais facilmente entendidos pela platéia.

A visualização das imagens

T
odo texto ao ser lido suscita no leitor algum
tipo de imagem ou seqüência de imagens. O contador de histórias se beneficiará se adotar como hábito o exercício consciente da visualização de imagens sempre que for ler o texto. A partir da primeira leitura isso já pode ser praticado. A visualização da imagem facilita a memorização do texto.

A disciplina na repetição

No processo de montagem do conto, a repetição se faz necessária muitas e muitas vezes até que o conto flua facilmente e nos possibilite então trabalhar alguns outros aspectos, como o olhar, a voz, os gestos. Essa etapa do treinamento é ainda solitária e de preferência deve ser feita já em voz alta num ambiente propício que nos deixe à vontade o bastante para errar e repetir.



A narração propriamente dita


A naturalidade -
É
uma característica básica dever ir de mãos dadas com a credibilidade. Mesmo os trechos mais absurdos de um conto, devem ser contados com uma tal naturalidade, como se realmente o narrador acreditasse no que conta.


O olhar -
E
m se tratando de platéias menores, em ambientes mais intimistas, o contador não pode prescindir de trabalhar o seu olhar durant
e a narração. Ele deve se preocupar em oferecer o conto a toda a platéia e aqui e ali olhar nos olhos de um e de outro. O que deve ser evitado é aquele olhar não intencional sem direção, ou aquele olhar perdido, às vezes voltado para si mesmo.

Ritmo -
A
voz é um recurso por excelência do contador, o conto é para fazer acordar e não dormir. Ficar atento à entonação pois ela é o colorido da voz que imprimirá a emoção ao texto.


Expressão -

C
onhecer o próprio rosto e o corpo das expressões que definem sentimentos, gestos, ocupação de espaço usar mãos braços, o
jeito de se deslocar no espaço.

Poder -
E
stá na capacidade de seduzir o ouvinte, de prender sua atenção, de encantá-lo É a capacidade de conduzir o outro ao imaginário e para isto é necessário que haja prazer. O contador precisa sentir prazer ao contar. Se não há prazer, o conto não acontece.


Improvisação -
P
ara o contador improvisar é deixar acontecer em cena, sem nenhuma preparação prévia, uma criação pessoal que tenha qualidade como se fizesse parte do "script". A primeira exigência da improvisação é a de sentir e agir de acordo com o momento. A técnica vem espontaneamente.



E quanto a platéia?
V
amos lá! Reuna as crianças.
Para crianças pequeninas de 0 a 6 anos por ser uma fase mágica, escolha histórias de bichinhos, brinquedos, objetos, seres da natureza (humanizados), história de crianças, de repetição e acumulativas ( Dona Baratinha, A formiguinha e A neve), histórias de fadas.


P
ara as de 7 anos escolha histórias de crianças, animais e encantamento, aventuras no ambiente próximo: família, comunidade, histórias de fadas e escolares.

Para as de 8 anos histórias de fadas com enredo mais elaborado, histórias humorísticas.
9 anos, histórias de fadas vinculadas à realidade.

De 10 anos em diante, aventuras narrativas de viagens, explorações, invenções, fábulas, mitos e lendas.

Não esqueça os adultos, principalmente aqueles que como diz Rubem Alves compreendem que história não é só para se divertir, pois, acreditam que ela tem o poder de transfigurar o cotidiano. Adultos que têm dentro de si uma criança que com certeza têm medo da solidão.

Nunca me esqueci das lições daquela professora, depois daquele encontro nunca mais a vi, hoje sou contadora de histórias e acredito como muitos, que histórias são como presentes e através delas compartilhamos ética, beleza, estética, vida...
Entrou por uma porta e saiu pela outra, quem quiser que conte outra...

Nenhum comentário: